Inácio Araujo

Cinema de Boca em Boca

 -

Inácio Araujo é escritor e crítico de cinema da Folha e autor de dois livros sobre o assunto: 'Hitchcock, o Mestre do Medo' e 'Cinema, o Mundo em Movimento', além de participar de diversas coletâneas.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

O que fazer das letras?

Por Inácio Araujo

No belo número sobre literatura feito recentemente pela Ilustríssima, uma opinião enfatiza os problemas da produção contemporânea, não apenas no Brasil, a de Alcir Pécora.

O professor da Unicamp faz uma distinção clara entre medidas necessárias à manutenção e eventual ampliação do mercado livreiro e a produção literária propriamente dita – instâncias que por vezes acabam confundidas.

Nos trechos da entrevista (que está na íntegra apenas no Folha On Line, como todas as demais – o dossiê é exaustivo) ele chama a atenção para problemas com os quais concordo inteiramente: a nossa pouca importância internacional (o gosto estrangeiro pelo exótico é que comanda o eventual interesse) e, sobretudo, a questão educacional. Ou seja: como ter mais leitores se não se faz mais conexão entre vida e leitura, se a leitura é vista como obrigação aborrecida, se a educação é o meio mais eficaz para separar pessoas e pessoas, para criar apartheid, para discriminar os da “escola particular” (que, mesmo no caso das escolas mais arejadas não conseguem senão promover o encontro do mesmo com o mesmo, quer dizer, da classe média com a classe média) dos da escola pública, que se tornou um grande depósito de jovens pobres em contato consigo mesmos.

O desmonte do nosso sistema público de ensino (laico, universal e gratuito) é, assim, uma questão adicional-central a uma crise literária que é, em linhas gerais, mundial. Pécora observa que a agonia do Estado-nação afeta diretamente o romance, que dava conta das epopéias nacionais. Que lugar ocupará agora? E como?

Ainda não pensei nessas questões em termos de produção cinematográfica. Talvez não existam. Talvez se coloquem de outra maneira. Mas a reflexão aqui é intrigante (vale a pena consultar o dossiê inteiro, que tem opiniões de várias gamas, de vários setores da produção literária, críticos, escritores, editores) e nos joga num território de dificuldades.

A Feira de Frankfurt e os programas da política do livro mantidos pelo governo (bolsas de tradução, bolsas de criação, criação de festivais) trouxeram resultados significativos para a produção artística?
Esse tipo de iniciativa, à qual acrescentaria as festas e os prêmios literários cada vez maiores e mais comuns, têm efeitos eventuais para a profissionalização do escritor e para o incremento do mercado livreiro. Ou seja, pode favorecer quem faz da literatura um negócio, mas os resultados mais comuns se resumem à publicidade em favor de alguns autores de umas poucas editoras, o que pode gerar um cânone de ocasião, por assim dizer, tirado da manga para um evento oficial e finito ali mesmo.
A meu ver, a produção artística, em termos de nível médio, só é realmente afetada pela qualidade do sistema educacional do país.

A perspectiva de aceitação no mercado exterior norteia de alguma forma o tipo de literatura que se está produzindo? O jovem autor escreve pensando no exterior?
“Jovem” já é uma categoria do negócio e não da literatura: trata-se de colocar novos produtos na praça identificados a um novo público consumidor. Como categoria do negócio, ela vai aonde vai o negócio, e, portanto, é crível a figura desse “jovem” em busca de um padrão que vença no “exterior”.
Mas duvido um pouco dessa abertura do exterior para a literatura brasileira. Essa possibilidade deve permanecer um nicho de poucos, justamente aqueles agenciados por grandes editoras, ou então de uns poucos autores já conhecidos, entre eles o famigerado Paulo Coelho. Acho que o momento de curiosidade maior pelo Brasil já passou. Ásia e África parecem estar mais na cena desse mercado “exótico” do que o Brasil.

Existe uma “globalização” dos temas?
Eu li outro dia um livro brasileiro que imitava o Dan Brown, assim como li outros que imitavam o Vila-Matas. Me lembro daquele projeto “Amores Expressos”, que colocava autores nacionais em cenários estrangeiros e buscava dar-lhes rumos internacionais. Assim, há qualquer esforço de globalização de temas, mas na prática ocorre apenas a adoção de estereótipos literários internacionais, os quais acabam suscitando pouco interesse desse mercado globalizado.O que o mercado globalizado da literatura pede, em geral, é o contrário do que já pode ter por si mesmo. Isto é, pede o pitoresco e exótico locais, ou então narrativas com testemunhos de experiências de minorias marginalizadas ou situadas em zonas conflagradas e pouco conhecidas. Na primeira alternativa, Jorge Amado é mais “globalizado” do que qualquer autor brasileiro contemporâneo que eu conheça. Na segunda, há pouca coisa a ser oferecida pelo Brasil, pois a exclusão social é grande a ponto de testemunhos de experiência direta raramente alcançar versão escrita, quanto mais literária. Quando ocorre, dá-se muito mais na música popular ou no documentário jornalístico que na literatura. Até a moda praiana, produzida na favela, tem mais sentido de encaixe no mercado globalizado que a literatura brasileira.

A literatura contemporânea inova em algum sentido? Ela renova formas, gêneros? Como?
A literatura contemporânea, no Brasil ou fora dele, raramente inova, pois vive um impasse radical. De um lado, já não consegue fazer a epopeia da construção nacional, pois a circulação internacional do capital minou as bases do Estado-nação; de outro, não cola como valor estético suficientemente duradouro, pois seu programa, geralmente associado a reivindicação de direitos, tende a ser imediatista e relativo a grupos restritos.
Acho que a Teoria tem ocupado a centralidade cultural que era da literatura. Os grandes nomes da cultura, hoje, com rara exceção, são de pensadores, teóricos, não de escritores.

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado

Categorias

Publicidade
Publicidade
Publicidade